Concurso Internacional Música de Câmara

Faminho

Vinho Oboé

DACAPO


Quem Somos

Incentivo à formação musical e divulgação do trabalho dos intérpretes/compositores portugueses, através de:

  • Entrevistas e artigos informativos
  • Divulgação de cursos de aperfeiçoamento musical, festivais, concursos, encontros de música, palestras e conferências.
  • Divulgação de obras criadas em português ou por portugueses: discos, livros, espetáculos/produções, óperas, partituras, trabalhos de investigação.
  • Divulgação da música portuguesas, com sugestão de partituras e discos.

Acreditávamos que o nosso projeto seria uma novidade no nosso meio musical, quando em quase todos os países da Europa existe pelo menos uma revista musical erudita. A Da Capo, Revista Musical Portuguesa, surgiu online, em www.dacapo.pt, no dia 15 de Março de 2013. Dois anos depois, o nosso site tem uma média de 10 mil visitantes por mês, sendo o impacto nas redes sociais bastante mais elevado.

Paralelamente, lançamos em 2014, a primeira edição impressa, com uma tiragem de 500 exemplares (edição quase esgotada), que reúne os principais conteúdos do site referentes ao ano 2013. Neste ano, voltamos a apostar na edição impressa nos mesmos moldes, ou seja, com os principais conteúdos informativos do ano transato, mas desta vez com uma tiragem de 1000 exemplares e com uma distribuição mais alargada.

O domínio www.dacapo.pt é de acesso público e livre. A agenda de eventos, em destaque no site, é de acesso livre e gratuito, ou seja, qualquer pessoa pode divulgar o seu evento/concerto de música erudita, que será previamente autorizado. Todos os cursos de aperfeiçoamento, concursos, festivas e eventos de relevância para o desenvolvimento da música em Portugal, têm automaticamente divulgação assegurada, incluindo os respetivos contatos, podendo até, eventualmente, serem realizadas parcerias com essas organizações sem qualquer custo monetário.

A divulgação das atividades artísticas que contribuam para o desenvolvimento e formação dos estudantes de música e para a captação de novos públicos são prioritárias para nós, daí serem naturalmente de acesso público, livre e totalmente gratuito.

A música é, sem dúvida, um motor fundamental de desenvolvimento económico e social. Damos destaque aos projetos artísticos de cariz social como, por exemplo, a Orquestra Geração, que promovem integração social além da formação artística.

Outro ponto relevante é o apoio e estímulo à investigação. Temos publicado alguns estudos de professores e alunos universitários mas reconhecemos que ainda há muito a fazer nesta área. O aumento dos alunos nos cursos superiores de música tem possibilitado também o aumento de estudos nesta área. É de todo o interesse conhecermos as conclusões destes estudos e publicá-las, não só como como matéria de informação mas sobretudo como estímulo a novos estudos, ao debate das várias problemáticas que afetam a Música.

A divulgação de novas composições e a respetiva gravação, assim como a premiação de obras portugueses já está naturalmente inserida nos nossos objetivos prioritários. Lembramos que a divulgação das composições e das gravações é fundamental para que haja novas criações para que os intérpretes as toquem (partituras) e o público as ouça (discos).

Outro problema detetado nas nossas entrevistas prende-se com a constatação da vida difícil dos intérpretes enquanto solistas, grupos de música de câmara, produções de ópera ou de espetáculos que envolvem também outras artes, compositores e maestros. Vida difícil no sentido de não terem apoios na divulgação, não serem reconhecidos pelo público e sobretudo pelas entidades oficiais e programadoras. Quase todos os artistas na área da música precisam de dar aulas para sobreviver, desenvolvendo os projetos de criação, produção e interpretação nos tempos livres das aulas, muitas vezes sem cachet ou com um cachet simbólico.

É fundamental que este quadro profissional se inverta, já que na atualidade grande parte do panorama da música erudita em Portugal desenvolve-se apenas em part-time. Cabe-nos a nós, enquanto meio de comunicação, contribuir fortemente para a valorização profissional dos artistas nacionais.

A música erudita está ligada intrinsecamente ao ensino artístico. O contexto profissional dos artistas, que precisam de dar aulas para viver, torna ainda mais relevante toda a atividade que se desenvolve nesta área. Assim, privilegiamos a divulgação de todos os eventos que envolvam o ensino e procuramos saber juntos dos nossos entrevistados que problemáticas envolvem este componente fundamental da música. A investigação na área do ensino, a utilização de novas tecnologias no ensino e na criação musical são temáticas frequentemente abordadas pela Da Capo.

 

Admnistração/Redacção:

 

Sandra Bastos - Diretora, Editora e Redatora

Samuel Bastos - Diretor Artístico e Diretor Comercial

Rosa Oliveira – Diretora Financeira e Diretora Pedagógica

Félix Duarte – Diretor de Publicidade e Consultor Artístico

Simão Barreira – Diretor de Marketing e Consultor Artístico

Bruno Sousa – Diretor de Produção e Consultor Pedagógico

Tiago Coimbra – Diretor de Investigação e Consultor Artístico

Pedro Silva – Assistente de Redação e Produção e Consultor Pedagógico

Catarina Castro – Assistente de Redação e Consultora Artística

Maria Fernandes – Redatora e Assistente de Produção

Vinho Oboé

Publicidade
título da imagem
título da imagem
Torre de Gomariz
título da imagem
título da imagem
título da imagem
título da imagem
Con Música
musictools
título da imagem
Frederico Fernandes
título da imagem
título da imagem
título da imagem
título da imagem
Companhia dos Vinhos do Douro
título da imagem
ava
Mário Jorge Silva