Ciclo de Concertos de Coimbra

Faminho

Vinho Oboé

TUTTI

ENSEMBLE - MÚSICA CÂMARA


Quarteto Vintage apresenta novo CD

Um CD dedicado à música francesa não podia ser apresentado num lugar melhor do que o bar “Era uma vez em Paris”, no centro da cultura do Porto, nas Galerias de Paris. Foi num ambiente informal e descontraído, em véspera de Páscoa, que o Quarteto Vintage apresentou o seu segundo disco - Clair de Lune.

“Temos consciência de que isto é um repertório erudito mas o facto de ser um CD muito ecléctico, com a colaboração de um actor, com textos, foi pensado para chegarmos a um público mais abrangente”, explica Iva Barbosa do Quarteto Vintage.

Clair de Lune é uma homenagem aos compositores franceses que se interessaram particularmente pelo clarinete, como Roger Boutry e Jean Françaix. “A formação de quarteto de clarinetes tem muita literatura de compositores franceses. Quanto mais os compositores escrevem mas o instrumento se desenvolve e fica conhecido”, sublinha.

E a realização desta ideia foi ainda reforçada aquando a época da gravação, em 2012, ano em que se comemorou os 150 anos do nascimento de Debussy e 75 anos da morte de Ravel, dois compositores em destaque no CD, que conta também com obras de Pierre Passereau, Jacques Bondon, Thoinot Arbeau e Eric Satie.

Este disco é também uma aposta na internacionalização do Vintage: “achamos também que este projecto, por ser de música francesa, pudesse ser mais internacional do que o nosso primeiro álbum, que tinha música portuguesa, mais conhecida do público em geral”

 

“O quarteto quer, a caneta sonha, o texto nasce”

De Ravel apresentam um arranjo da “Suite ma mère l’óye”, com textos de Mário João Alves e narração do actor António Durães. O original foi escrito por Ravel para piano a quatro mãos, mais tarde com versão para orquestra, e foi dedicado a duas crianças amigas da família.

“O quarteto quer, a caneta sonha, o texto nasce. O Ravel é sublime e o quarteto também. As palavras que a voz grave do Durães gravou neste disco encontrei-as na música, nas entrelinhas, já lá estavam, não tive que inventar muito”, garante Mário João Alves a propósito dos contos que escreveu para a “Suite ma mère l’óye”.

 

“Um projecto arrojado, um acto de coragem”

Não obstante ser dedicado à música francesa, este trabalho é 100 por cento português, além dos intérpretes Iva Barbosa, José Eduardo Gomes, João Moreira e Ricardo Alves, todos os colaboradores são portugueses.

“Nesta altura em que quase desconfiamos do nosso país, que estamos numa fase menos boa, também tentamos contribuir para valorizar a nossa arte. O facto de concretizarmos este sonho mostra que ainda há gente que tem vontade e força para continuar porque é difícil, a dinamização é pouca. É um projecto arrojado, um acto de coragem, que fica caro”, afirmam.

Apesar dos apoios, o Quarteto Vintage não conseguiu a totalidade do financiamento. A quantia em falta foi investida pelos próprios membros do grupo, tal como muitos outros projectos semelhantes de música erudita. Iva Barbosa diz que é mais um motivo para as pessoas comprarem: “Eu compro os CD’s dos meus colegas portugueses, sobretudo quando sei que é assinatura de autor”.

 

Concertos no Porto e em Itália

Outro dos investimentos do grupo passa pelo agenciamento, que praticamente não existe em Portugal, na área da música erudita. A agência que os representa (Artway) tem agora o papel de divulgar e promover o disco: “Temos esperança que este ar fresco que a Artway está a tentar criar dê frutos”.

Assim, é já em Junho, no dia 22, que o Quarteto Vintage fará um concerto de apresentação do Clair de Lune, no auditório da FEUP, no Porto. Um mês mais tarde, no dia 28 de Julho, repetem o programa em Assis, Itália.

 

Quarteto Vintage

O Quarteto Vintage foi fundado há 12 anos e integra alguns dos mais representativos músicos de uma magnífica geração de clarinetistas portugueses. Os seus elementos possuem uma sólida carreira profissional e foram premiados em numerosos concursos em Portugal, Espanha, República Checa, Roménia, EUA e Japão.

Aborda já um repertório muito alargado, desde a Música Antiga, passando pela Música Barroca, Clássica, até à Música Contemporânea e Popular. Explorando sempre as várias possibilidades idiomáticas do instrumento, o Quarteto Vintage utiliza os vários instrumentos da família do clarinete (clarinete em sib, requinta, Cor de Basset, clarinete alto e clarinete Baixo). A interpretação de obras acompanhadas por instrumentos de percussão surge na constante procura de novos ambientes e coloridos tímbricos – os percussionistas Luís Oliveira e Luís Neiva colaboram regularmente com o Quarteto.

Com inúmeros concertos realizados, destacam-se as participações nos eventos: "Noites de Massarelos", "Festival Internacional de Música para Jovens de Gaia", "Festival Foz do Cávado" (Esposende), "Clarinetfest 2005" (Tama-Tokyo), "Festival do Palácio da Bolsa 2006", "Encontros Internacionais de Música da Guimarães", "Clarinetfest 2007" (Vancouver), EURORADIO 2008", "European Festival for Clarinet Ensembles 2008" (Gent-Bélgica), Festival de música de Grosseto (Itália) e “ClarinetFest 2009” (Porto).

O Quarteto dedica particular importância à experimentação sonora, à criação de novas obras e ao diálogo com os compositores. Foram-lhe dedicadas as peças "Ostinando" de Bruno Ribeiro, "Fado a Quatro" e "Tributo a Zeca" de Vítor de Faria, e a adaptação para quarteto de clarinetes, marimba e vibrafone da peça de Luís Tinoco "Short Cuts", estreada no primerio CD com o percussionista Pedro Carneiro. 

 

www.quartetovintage.com

Artway

Clair de Lune

Oferta de CD Quarteto Vintage

Clair de Lune
  • Clair de Lune
  • título da imagem
  • título da imagem
  • título da imagem
  • título da imagem
  • Clair de Lune
  • título da imagem
  • título da imagem
  • título da imagem
  • título da imagem
Anterior | Seguinte Voltar
Publicidade
título da imagem
título da imagem
Torre de Gomariz
título da imagem
título da imagem
título da imagem
título da imagem
Con Música
musictools
título da imagem
Frederico Fernandes
título da imagem
título da imagem
título da imagem
título da imagem
Companhia dos Vinhos do Douro
título da imagem
ava
Mário Jorge Silva