PJM

Faminho

Vinho Oboé

INTER

INTER

Autor: Adriano Nogueira

26 jul 2017


A força e luz de Diego Caetano

 

Diego Caetano, de 27 anos, nascido em Anápolis, no estado brasileiro de Goiás, iniciou os seus estudos pianísticos aos 11 anos de idade. Com 15 anos, frequentou o curso superior de piano da Universidade Federal de Goiás. Em 2010, viajou para os Estados Unidos da América, onde veio a completar o mestrado em Piano Performance e Pedagogia do Piano, na Universidade de Wyoming. Seis meses após a sua chegada, foi eleito um dos seis melhores alunos de piano dos Estados Unidos da América, no prestigiado concurso promovido pela MTNA – Steinway & Sons, edição de 2011. Doutorou-se aos 24 anos, com louvor, sob a orientação de David Koorevar, pela Universidade do Colorado at Boulder. Regista, no seu currículo pianístico, mais de 40 prémios em concursos de piano, em diferentes pontos do globo. Atualmente, é artista Shigeru Kawai e, para além da sua atividade de concertista, é professor no Amarillo College Music, no Texas, onde reside.  

Em Maio e Junho deste ano, o pianista visitou, em digressão, Portugal, Espanha e Japão, realizando cerca de uma dezena de concertos. Contou-nos que, nos últimos 7 anos, dedicou parte do seu tempo à realização de tournées pelo mundo fora, sendo esta a sua segunda visita a Portugal. “Todos os anos toco fora, em algum lugar, faço tournées de 10, 12 concertos, cada vez. Apesar deste ano ter feito 24 concertos, foi bastante… conheci vários lugares de Espanha. Portugal é sempre bom voltar, me sinto em casa, tenho grandes amigos em Portugal (…). Ir para o Japão foi um sonho tornado realidade (…). Fui em muitos lugares além de Tóquio. Conheci também o norte do Japão, conheci a zona rural, o interior e onde o tsunami devastou. É muito triste também. Por que a gente viu o que eles estavam passando. Toquei em lugares que estão reconstruindo… semáforos, prédios… (etc). Foi uma oportunidade de crescimento humano ver aquilo (pausa). Quando a gente levou a música para lá, dava para ver nos olhos deles o quanto eles gostavam, na hora que vieram agradecer… gente chorando enquanto ouvia o recital. Foi um crescimento musical, mas foi além de tudo um crescimento humano. O nosso mundinho não é só o quintal de casa.”

Quando da sua passagem por Coimbra, no dia 3 de Junho, tive a oportunidade de o conhecer, deixando-me surpreendido pela simpatia e serenidade manifestadas, minutos antes do início do seu concerto. O auditório do Conservatório de Coimbra vibrou com a vasta paleta sonora que Diego Caetano incutiu nas exigentes quatro Baladas de F. Chopin. A maturidade musical demonstrada a partir de uma execução bem estruturada, brilhante e comunicativa, fizeram-nos refletir sobre o magnífico percurso deste jovem músico que, em apenas 13 anos de dedicação ao piano, conseguiu atingir um nível de experiência e sensibilidade musical, próprias de grandes mestres. Na segunda parte do programa, o palco foi partilhado a dois pianos, entre Diego Caetano e Bernardo Santos, um dos jovens talentos promissores do piano português, tendo-nos brindado com a Sonata para dois pianos de F. Poulenc e arranjos de obras A. Piazzolla e A. Borodin.

Nem só de música vive Diego Caetano. Já leu toda a obra de Dostoievski, em russo e agora delicia-se com o idioma original de Haruki Murakami. Além de dominar os repertórios mais desafiantes do piano, Diego fala oito idiomas e dá os primeiros passos no coreano. O pianista confessou: “Eu sempre tive essa tara por ler dicionários… para mim é um hobby (…). Não me cansa de jeito nenhum. É uma meditação. Aprender gramática, vocabulário e conversar com os outros, não me cansa.” Ainda completou que ser um poliglota ajuda muito na hora de fazer networking. “Posso ir para o Japão por que escrevi para eles em japonês; vou para a Rússia por que me envolvo em russo. Acho que fica mais fácil a aproximação, eles se sentem mais à vontade comigo.” Na sua visão, música é cultura e sobre isso afirma: “Consigo compreender melhor uma cultura pela língua e pela música. Muitas coisas se perdem em traduções.”

No próximo dia 17 de Agosto vai realizar a primeira audição brasileira da obra Como una ola de fuerza y luz de Luigi Nono, junto com a soprano Andréa Kaiser, à frente da Orquestra Filarmónica de Goiás, sob a batuta do britânico Neil Thomson.

Na temporada de 2017-2018, Diego Caetano apresentar-se-á no Brasil, Estados Unidos da América e Europa. No seu repertório, inclui-se o 3º concerto para piano de S. Rachmaninov, que tocará com orquestras na Bulgária e Polónia e os 12 estudos transcendentais de F. Liszt. Em Portugal, já tem presença confirmada na segunda temporada do ciclo “Músicas do Acervo: compositores portugueses e seus contemporâneos,” no Museu Nacional da Música.

Um intelectual, um professor, um pianista, uma pessoa encantadora a não perder de vista.

 

Adriano Nogueira é licenciado em Ciências Musicais pela FCSH/NOVA, Professor de Piano e Comissário do ciclo de concertos “Músicas do Acervo: compositores portugueses e seus contemporâneos.”

Diogo
  • Diogo
Seguinte Voltar
Publicidade
título da imagem
título da imagem
Torre de Gomariz
título da imagem
título da imagem
título da imagem
título da imagem
Con Música
musictools
título da imagem
Frederico Fernandes
título da imagem
título da imagem
título da imagem
título da imagem
Companhia dos Vinhos do Douro
título da imagem
ava
Mário Jorge Silva