PJM 2018

título da imagem

FESTIVAIS

PRÉMIO JOVENS MÚSICOS


Guilherme Sousa vence Prémio Jovens Músicos

Guilherme Sousa já tinha estado na final do Prémio Jovens Músicos, nível superior, onde foi galardoado com o 3º Prémio ex-aequo. No ano passado concorreu em Música de Câmara e este ano, finalmente, venceu o 1º Prémio, nível superior, de Oboé.

“Uma das principais razões que me levaram a participar neste Concurso foi o vasto leque de oportunidades que o PJM proporciona aos vencedores: desde a possibilidade de fazer recitais nas melhores salas de espectáculo por todo país até à garantia de presença no Concerto dos Laureados a solo com uma das melhores Orquestras do país”, diz.

 

“muita paciência, organização, disciplina”

Para trás ficou “um processo delicado que requer muita paciência, organização, disciplina e, claro, suporte e tolerância por parte das pessoas que me rodeiam (família, namorada, amigos, etc.)”. Para o jovem oboísta, “preparar a prova e sacrificar tempos de lazer, como as idas ao bilhar, passeios ao ar livre ou jogos de basquete, são os momentos mais difíceis da competição. Claro que também a espera pelo resultado de uma prova pode ser bastante inquietante, mas aí a dificuldade é mais para o Júri do que para os concorrentes”.

Porém, há imensas compensações: “quando se trabalha uma obra intensivamente e se descobre elementos na música que nunca antes se tinha reparado, a sensação de que o trabalho está a dar frutos e que a música fica mais clara e interessante é muito enriquecedora. Também o momento no final da prova, quando quase tudo correu como planeado, é já quase uma sensação de vitória”.

 

“Ganhar o Prémio Maestro Silva Pereira seria a cereja no topo do bolo”

Guilherme Sousa organiza o estudo em três fases: ““Limpeza” das dificuldades técnicas do instrumento e das obras a tocar; estudo da obra em termos estilísticos, estruturais, harmónicos, tendo em conta o contexto biográfico do compositor; sistematização das ideias musicais definidas através de várias simulações de prova”.

O próximo passo é preparação para o concerto dos laureados, onde vai estar em competição o Prémio Maestro Silva Pereira que seria, para Guilherme, “a cereja no topo do bolo”: “certamente iria aumentar ainda mais as possibilidades de mostrar o meu trabalho. É importante também porque iria ser uma ajuda para o suporte de despesas de formação no futuro”.

 

“os jovens músicos de Portugal prevêem um futuro muito incerto e com poucas possibilidades”

Vencer o PJM vai alargar as possibilidades de apresentar o seu trabalho. “Mas vai caber a mim aproveitar essas oportunidades e aprender com elas para iniciar uma carreira com qualidade e com perspectivas de crescimento no futuro”, sublinha.

“O PJM tem dado muitas oportunidades a jovens artistas para mostrarem o seu trabalho em vários pontos do país. Muitos dos melhores músicos portugueses que fizeram/fazem uma carreira fantástica em Portugal e no estrangeiro, têm também no seu currículo vitórias neste Concurso”, acrescenta, lembrando que “é um projecto muito bom e importante para impulsionar os jovens músicos de Portugal que, infelizmente prevêem na sua vida e na sua carreira um futuro muito incerto e com poucas possibilidades”.  

 

“a quantidade e qualidade de estudantes de música erudita em Portugal nunca foi tão alta”

Um futuro incerto numa altura em que “a quantidade e qualidade de estudantes de música erudita em Portugal nunca foi tão alta. A qualidade e quantidade de professores de música portugueses cresceu de forma extrema. No entanto a escassez de oportunidades faz com que grande parte dos artistas que procuram a vertente de performance “fujam” para países onde o apoio financeiro para as artes é maior e com mais respeito pelo seu trabalho”.

Não admira, assim, que hoje se veja “cada vez mais jovens músicos com muita qualidade a conseguir oportunidades de emprego em orquestras profissionais no estrangeiro. Alguns também fazem carreiras em música de câmara e a solo com concertos regulares, representando de forma impressionante o país”.

E os que ficam cá? O que os espera? “Os que decidem estabelecer-se em Portugal, no entanto, terão provavelmente de se dedicar à vertente pedagógica de forma a poderem fazer uma vida sem extremas dificuldades financeiras. Caso tenham um grupo de música ou se apresentem a solo é muito importante que aprendam a manusear bem o reportório que tocam e a forma como se publicitam”.

Ainda assim, Guilherme Sousa louva e admira “a vontade que os músicos portugueses ainda têm de criar projectos de divulgação de compositores e instrumentistas e a forma miraculosa como por vezes as coisas se concretizam quase sem apoios financeiros”.

 

“nem sempre quis ser músico”

A terminar o Mestrado em Performance em Lübeck (Alemanha), Guilherme Sousa confessa que nem sempre quis ser músico: “Estudei até ao último ano de escola secundária com o objectivo de ir para Bioquímica ou Biomédica e tinha notas suficientemente altas para frequentar estes cursos. O gosto pela música e a curiosidade de conhecer este mundo prevaleceu, portanto decidi concorrer também às escolas superiores nesta área”.

No caminho que optou, foi fundamental o apoio da família e professores: “A minha família por ter tido a coragem de suportar a minha escolha por um percurso artístico com futuro incerto; os meus professores por terem tido muita paciência e por nunca terem perdido a esperança e vontade de me transmitir os seus conhecimentos”.

Mais duas pessoas tiveram também uma influência fundamental: a minha namorada Marei Janic, que suportou pacientemente, em casa, horas e horas de estudo intensivo e repetitivo apoiando-me a todo o momento, e o meu amigo Pedro Costa, que preparou de uma forma extraordinária a parte de piano para cada uma das fases do concurso, mesmo tendo já um horário extremamente ocupado”.  

 

“aprender o mais possível em cursos com conceituados professores”

Para o futuro, Guilherme deseja ter uma carreira artística que lhe proporcione concertos com regularidade de maneira a poder, para além da vida profissional, “formar uma família e sustentá-la com uma boa qualidade de vida”. Para isso, vai concorrer a academias de orquestra e procurar “aprender o mais possível em cursos com conceituados professores”.

Para já, vai dedicar-se a preparar os recitais do PJM e divulgar os grupos de música de câmara Duo Concertante com Piano e Duo Confesso com Guitarra Clássica. “Gostaria de poder continuar a desenvolver a qualidade das obras que no momento tenho preparadas, introduzindo sempre novo reportório com qualidade e com sonoridades interessantes”, afirma.

 

Guilherme Filipe Costa e Sousa

Nasceu a 1990 em Coimbra. Iniciou os seus estudos musicais com 5 anos com o Maestro Virgílio Caseiro.Iniciou o primeiro ano do Conservatório de Música de Coimbra, sob a orientação em oboé de Pedro Ribeiro e a partir do segundo ano até ao final com Francesco Sammassimo. Terminou a licenciatura de música na Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo, Porto, sob a orientação de Ricardo Lopes.

Prossegue os seus estudos em Mestrado em Performance em Lübeck (Alemanha), na Musikhochschule Lübeck, na classe de Diethelm Jonas. É vencedor de alguns concursos como solista e em música de Câmara:1º Lugar no PJM, nível Solista Superior: 3º Lugar no PJM, no nível Solista Superior; 1º Lugar no “II Concurso Nacional de Instrumentos de Sopro de Terras de La-Sallete”, categoria Júnior; 1º lugar no concurso de música de Câmara “ConCursos”, em Aveiro, Categoria Superior, em Duo com o Pianista Pedro Costa; 1º lugar no III Concurso Interno de Música de Câmara da “Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo” com Quinteto de Sopros da ESMAE; Vencedor do “Prémio Helena Sá e Costa”, oferecido pela Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo

Foi membro da “European Union Youth Orquestra”, tendo realizado, durante o estágio de Verão de 2011 uma digressão pela Europa. Com a orquestra teve a oportunidade de tocar em famosas salas de concerto como “Concertgebouw”, em Amestardão, “KonzertHaus”, em Berlim, “Grafenegg”, em Krems-land, entre outras, sob a orientação dos maestros Jaap van Zweden e Vladimir Ashkenazy.

É músico em duo com a guitarrista clássica Marei Janic  para a Fundação “Live Music Now” criada por Lord Yehudi Menuhin e para a Fundação Musikerkennen com  as quais faz concertos regularmente.

Frequentou cursos de aperfeiçoamento com: Thomas Indermuhle, David Walter, Pedro Ribeiro, Diethelm Jonas, Washington Barella, Cristian Wetzel, Omar Zoboli, António Saiote, Nick Deutsch, entre outros.

Guilherme Sousa
  • Guilherme Sousa
  • Guilherme Sousa
  • Guilherme Sousa
  • Guilherme Sousa
  • Guilherme Sousa
  • Guilherme Sousa
Anterior | Seguinte Voltar
Publicidade
título da imagem
título da imagem
título da imagem
título da imagem
título da imagem
título da imagem
Edições Convite à Música
título da imagem
título da imagem
Con Música
Frederico Fernandes
título da imagem
título da imagem
título da imagem
título da imagem
Companhia dos Vinhos do Douro
título da imagem
ava
Mário Jorge Silva