Concurso de Gondomar

PJM 2019

Sugestões

Chuva Oblíqua

Autor: Luís Tinoco

23 mai 2013

Última atualização: 25 nov 2018


Pode a guitarra portuguesa romper com um certo imaginário que a condena ao mero acompanhamento do fado e afirmar-se como instrumento performativo que vale por si próprio? Miguel Amaral acredita que esse desafio pode ser vencido; e quer provar isso mesmo com o seu primeiro disco, “Chuva Oblíqua”, com lançamento previsto para o próximo dia 6 de Maio.

Para levar a bom porto o seu projecto de dignificar e autonomizar a guitarra portuguesa, o guitarrista muniu-se de argumentos fortes e de uma boa dose de ousadia. “Chuva Oblíqua” conta com peças encomendadas a Daniel Moreira, Dimitris Andrikopoulos, Igor C. Silva e Mário Laginha, compositores estranhos à tradição da guitarra portuguesa, tendo Miguel Amaral contribuído com os restantes cinco temas do disco. Esta contribuição de autores eruditos para o repertório da guitarra portuguesa é praticamente inédita e uma das grandes apostas do guitarrista e compositor.

Para este seu trabalho de estreia, as inspirações maiores de Miguel Amaral são, antes de mais, de ordem musical, onde se inscrevem criadores e intérpretes como Toru Takemitsu, Olivier Messiaen, Sergey Prokofiev, Pedro Caldeira Cabral e Ricardo Rocha. Mas há também uma óbvia “ingerência” do universo poético, que se alimenta e se cruza com esta “Chuva Oblíqua” através das palavras de Fernando Pessoa, Sophia de Mello Breyner Andresen e Federico Garcia Lorca.

Com 30 anos de idade, Miguel Amaral começou muito cedo a ceder à tentação da música, que acabaria por se sobrepor à licenciatura em Direito. Começou a estudar piano aos cinco anos, mas a guitarra portuguesa acabou por se impor como o seu instrumento de eleição. Estudou guitarra portuguesa com Samuel Cabral, Fontes Rocha e Pedro Caldeira Cabral e composição com Daniel Moreira e Dimitris Andrikopoulos, trocando experiências, entre outros, com Ricardo Rocha. Um dos “culpados” da intimidade de Miguel Amaral com a guitarra portuguesa foi Carlos Paredes, por via das suas Variações em Ré Maior, que o marcaram para sempre quando as ouviu, com apenas 18 anos.

 

Vídeo

Miguel Amaral fala do seu primeiro disco

Luís Tinoco


Um conjunto de peças ‘solo’ onde inequivocamente podemos ouvir a guitarra portuguesa a percorrer novos territórios em parâmetros como a melodia, harmonia,ritmo e timbre; a testar novas estruturas formais; a experimentar novas paisagens sonoras; a cruzar materiais de raízes tão diversas como as músicas tradicionais, o jazz, o rock ou a música electrónica.
Chuva Oblíqua
  • Chuva Oblíqua
  • Chuva Oblíqua
Anterior | Seguinte Voltar
Publicidade
título da imagem
título da imagem
título da imagem
título da imagem
título da imagem
título da imagem
Edições Convite à Música
título da imagem
título da imagem
Con Música
Frederico Fernandes
título da imagem
título da imagem
título da imagem
título da imagem
Companhia dos Vinhos do Douro
título da imagem
ava
Mário Jorge Silva